Cozinhando com o forno solar.

É possível cozinhar tudo no forno solar: arroz, feijão, verduras, carne, frango, peixe, batatas, pães, bolos, etc. (A única coisa que não pode ser feita é fritura).

Em geral o cozimento mais eficiente se faz em panelas médias ou pequenas, de preferência panelas rasas em vez de fundas, sempre pretas ou de cores escuras e com tampas. Panelas de ferro fundido ou de barro, mesmo sendo escuras, demoram mais a cozinhar por causa da espessura das paredes. Panelas leves e de metal fino são, pois preferíveis. (Na ausência de tampas adequadas, as panelas podem ser cobertas com lâminas de vidro, com as bordas lixadas para impedir cortes acidentais). Um volume maior de comida dentro de uma panela grande cozinha mais lentamente. Por isso, para fazer um quilo de feijão, por exemplo, é melhor dividi-lo em duas panelas menores, com meio quilo cada.

04

Batata doce, arroz com cenoura e batata inglesa cozidos no forno solar.

Existe um tempo mínimo de cozimento mas não existe limite de tempo máximo pois a comida não queima, não gruda no fundo das panelas, não fica seca, esturricada, pois as tampas mantêm a umidade dentro das panelas e do espaço interno do forno. Por isso, é possível preparar, juntos, vários tipos de alimentos, mesmo que tenham tempos de cozimento diferentes. O horário ideal para o uso do forno solar vai das 8 da manhã às 3 da tarde, aproximadamente, e o tempo de cozimento da maioria dos alimentos vai de 2 a 5 horas. O feijão é um dos alimentos mais demorados para cozinhar no sol; por isso, além de pernoitar de molho na água, recomenda-se o aquecimento até a fervura no fogão convencional e a colocação no forno solar, já quente, o mais cedo possível.

A regra universal que garante o sucesso no forno solar é: coloque a comida para cozinhar cedo e não se preocupe se ela vai cozinhar demais ou queimar. (Essa regra é válida para quase tudo mas o tempo excessivo pode prejudicar verduras verdes, que poderão ficar muito moles, além de perderem a cor verde, ou biscoitos, pães e bolos, que poderão ficar muito secos ou duros).

Em geral, usa-se menos água no preparo de arroz, feijão, ervilhas, lentilhas, etc, já que o vapor não escapa da panela, enquanto que no preparo de carne, peixe ou frango, assim como no cozimento de ovos, frutas, batatas, cenouras, beterrabas, chuchu, inhame, macaxeira, abóbora cortada em fatias, etc, não se usa nenhuma água. Batatas e cebolas pequenas podem ser cozidas inteiras. Para tudo mais vale a regra: pedaços menores cozinham melhor e mais rápido do que pedaços maiores.

O fato do vapor não escapar das panelas, combinando com o cozimento lento, a temperaturas mais baixas, aumenta o valor nutritivo dos alimentos e realça o sabor dos temperos resultando numa comida deliciosa apesar de possíveis diferenças na cor, no sabor e na textura dos alimentos cozidos na lenha ou no fogão a gás.

Além da economia de gás butano ou de carvão ou lenha, a grande vantagem do forno solar é a economia de tempo: uma vez colocadas as panelas dentro do forno, ao sol, entre 8 e 9 horas da manhã, não é preciso mexer, adicionar água ou controlar o tempo para não queimar. Com isso, é possível sair de casa ou se ocupar com outros afazeres até a hora do almoço quando tudo estará cozido e quente, pronto para a mesa!

E nem é preciso ter sol pleno: num dia parcialmente nublado, é possível usar com sucesso o forno solar desde que o sol brilhe por pelo menos 20 minutos em cada hora. (O isolamento térmico nas tampas e nas paredes e no fundo, entre as caixas, garante a permanência do calor durante a passagem das nuvens.) E se o céu nublar totalmente durante o tempo de cozimento, ao chegar em casa é possível completar o processo em alguns minutos no fogão a gás ou no fogareiro de carvão ou fogão a lenha.

Embora a função principal do forno solar seja cozinhar alimentos, é possível também usá-lo para secar ou torrar grãos como gergelim ou amendoim, usando assadeiras ou tabuleiros sem tampa. Para a umidade dos grãos poder escapar, é preciso levantar uma ponta da sobretampa e levantar também uma ponta da tampa, apoiando com um pequeno calço de madeira, um lápis, por exemplo. O forno solar também serve para pasteurizar a água, eliminando a forma mais comum de infecção intestinal que é a água contaminada. Pasteurizar não é o mesmo que ferver: a água estará purificada se for mantida a pelo menos 65 graus centígrados por, no mínimo, 20 minutos.

O baixo custo e a simplicidade da fabricação tornam possível ter mais de um forno na casa, para maiores quantidades de comida ou maior flexibilidade no preparo das refeições.

Uma questão que preocupa os novos usuários do forno solar é a questão das receitas para o preparo dos alimentos. A regra é: use suas próprias receitas e temperos, fazendo pequenos ajustes no tempo ou na quantidade de água dentro das panelas.

Um alimento muito útil cuja proporção de água foi testada é o angu de milho ou polenta como é conhecido no sul. Para fazê-lo, use, de preferência, fubá de milho em vez dos populares flocos pré-cozidos, na seguinte proporção: uma xícara de fubá para 3 xícaras de água, misturando com um garfo para molhar todo o fubá de maneira uniforme. Use sal e pimenta a gosto, podendo adicionar outros temperos. É interessante servir com um molho de tomate feito também no forno solar: picar 3 ou 4 tomates, pimentão, cebola, alho, pimenta, sal, orégano e outros temperos. Ponha para cozinhar no forno solar, sem água, numa panelinha tampada. Antes de servir, passe a maior parte num liquidificador, adicionando uma colher de farinha de trigo para encorpar e devolvendo, em seguida, para a panelinha onde ficou uma parte de molho original misturando bem para criar um molho “pedaçudo”. E bom apetite!

O forno solar é particularmente útil no preparo de pães e bolos que consomem muito gás butano. No caso dos bolos, pode-se usar os tipos pré-misturados à venda nos supermercados (basta lembrar de usar um pouco menos leite, para que a mistura fique menos líquida, e usar uma panela untada e com uma tampa em vez das formas convencionais). Quanto aos pães, os mais fáceis são os que levam fermento químico (para bolos) em vez de fermento biológico, de ação mais lenta. Uma receita testada é o “pão de cerveja”:

Misture 3 xícaras de farinha de trigo com fermento, 2 colheres de sopa de açúcar, uma colherinha de sal, meia xícara de sementes de linhaça, de gergelim, de girassol ou de castanha de caju ou do Pará, picadas (pode acrescentar fibra de trigo, canela, ou substituir parte da farinha por farinha de trigo integral). Derrame sobre essa mistura seca uma latinha de qualquer tipo de cerveja na temperatura natural e misture bem. Use uma panela preta untada, com tampa, e coloque no forno solar pré-aquecido. O tempo de cozimento é de duas horas e meia em dia de céu claro. Deixe esfriar e desenforme. É ótimo com um bom café!

16 Respostas para “Cozinhando com o forno solar.

  1. O Tretas

    O Super vai chegar !!!

  2. consegui montar o fogao solar mas só tive maior sussesso no cozimento de verduras.
    preciso de maiores detalhes.

  3. Jose Augusto

    Para cozinhar arroz se coloca água?

    • Sim! Os grãos como arroz, feijão, milho, ervilha, lentilha, grão de bico, absorvem água e incham antes de cozinhar. Como não há perda de vapor por causa da tampa da panela e do ambiente fechado do forno solar, pode-se reduzir um pouco a água que seria usada para um cozimento no fogo. Tudo o mais: peixe, carne, frango, batatas, cenouras, beterrabas, chuchu, berinjela, abóbora, ovos, – tudo o mais, é cozinhado sem água pois esses alimentos já contem grande porcentagem de água.

  4. Cido Souza

    Gostaria de obter algumas receitas para utilizar no fogão solar. Grato

    • Não existem receitas específicas para o forno solar. O que existe são procedimentos a serem observados no cozimento de receitas tradicionais. Alguns desses procedimentos: Só se usa água para cozinhar cereais. Arroz, feijão, ervilha, lentilha, milho, etc, e mesmo nesses, usar menos água que no fogão convencional.
      Carne, frango, peixe, ovos assim como todas as verduras, são cozidos sem água. Pães e bolos devem ser cozidos em panelas pretas e com tampas, como tudo o mais. Além disso, é preciso lembrar que quantidades menores em panelas menores, cozinham melhor. Pedaços menores de carne, peixe, frango, cenouras, batatas, etc. cozinham melhor que pedaços maiores. Panelas rezas cozinham melhor que panelas fundas… No mais, a experiência pode ensinar. Consultas ao Google, também!

    • O arroz que eu tenho feito com maior sucesso é o arroz integral parboiolizado. Faço inicialmente, um refogado com óleo, alho, cebola e pimenta do reino moída.Deixo fritar um pouco o arroz cru, depois adiciono dois volumes e meio de água, fria se for cedo, fervendo se já passa das 10:00 hs da manhã. Depois da água, adiciono sal temperado e uma colherzinha de crrry e, se tenho em casa, corto em tirinhas uma cenoura ou um pimentão, ponho a tampa e ponho ao sol dentro do forna solar. Em geral, fica pronto em 3 horas e o resultado é delicioso!

  5. Utilize panelas de vidro transparente, elas podem ser eficazez

    • Olá Luiz: Constatei que sim! E na falta de uma tampa adequada, pode-se utilizar um prato de vidro transparente sobre a panela, com o fundo pra baixo, que faz cairem dentro da panela as gotas de condensação do vapor. Grato pela sua participação!

  6. Estou projetando algo que soma um pouco de cada ideia. Quando eu completar escrevo pra vocês. Muito legal a ideia do forno.

    • Olá Luiz:O forno solar de caixa quente tem evoluído com as pesquisas e colaboração dos usuários. Já são mais de 200 variantes. Fico curioso para conhecer suas ideias a respeito!Abraço, José Albano

      • PAINEL NET ORDEM SEALIAH

        Fiz um pequeno teste, mas o princípio básico do meu forno esta no Egito, e olhe que a coisa funciona. Outra coisa interessante é que a base preta pode ser feita com tinta automotiva polida como na lataria do carro. vou te passar um desenho em breve. A lataria do carro suporta variações bruscas de temperatura, da mais alta pra mais baixa de imediato, no interior pode ser revestida de manta térmica, ou seja, um sanduíche feito com lata e recheada com manta térmica. A espessura dessa lata equivale a cinco dedos juntos. Tipo um travesseiro. A pirâmide reflete a luz quase na horizontal, e os cantos devem ser completados com manta refletora. Um outro material útil e não exige muito cuidado são os espelhos feitos de acrilico ou plástico, ou os de folha de aço inox ou alumínio. O vidro a caixa que fica as panelas deve ser de vidro, mas nas vidraçarias tem um vidro que tem desenhos boleados, isso é bom pois causa um efeito lente. A forma atual funciona como uma estufa solar, boa para desidratar alimentos. Outro recurso eficiente são os espelhos côncavos eficazes para frituras.

      • preciso saber como mandar imagens pra vocês. se gostarem da ideia e construírem, me avise. não me preocupo com credito mas lembrem-se de mim em seu reinado

  7. Dorival Garutti

    Criei um novo modelo visual do fogão solar vendo a ideia por r$500,00 alen de usar materiais reciclaveis que iriam contaminar o solo,é super pratico e não precisa de mover para fazer o cozimento,e nen da dor na coluna nen desconforto pois é da altura do fogão a gaz, entre em comtacto por email doriago1@hotmail.com

  8. Juraci Magalhães

    Que coisa fantástica! Por que não e divulgada?
    Eu nem sabia que isso existia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s